News

Arábia Saudita completa 90 anos de Unificação

todaysetembro 27, 2022 1

Background
share close

No país onde a perseguição é extrema, um cristão foi punido com chicotadas quando a nova fé foi descoberta

A Unificação da Arábia Saudita aconteceu no dia 23 de setembro de 1932. Antes, o país era segmentado em tribos e emirados independentes que se uniram sob a direção da família Saud, que instaurou a atual monarquia que administra o país. A nação que abriga duas cidades sagradas do islamismo, Meca e Medina, pressiona os cristãos. Não é permitido construir igrejas, realizar cultos ou compartilhar a fé cristã e, quando há denúncias dessas práticas, as punições podem envolver prisão ou outros tipos de violência.


A maioria dos cristãos no país são estrangeiros que moram na Arábia Saudita e se reúnem secretamente pelo risco de deportação. Os poucos cristãos de origem muçulmana enfrentam pressão ainda maior da sociedade majoritariamente muçulmana, por isso também mantêm a fé em segredo. Um parceiro local relatou que a pressão aos cristãos é tão grande que não há igrejas oficiais no país.


Um novo começo para Adam


Em setembro de 2021, compartilhamos a história de Adam*, um cristão de origem muçulmana perseguido na Arábia Saudita. Após receber chicotadas como punição quando sua nova fé foi descoberta e ser acusado injustamente pela própria família por crimes que não cometeu, Adam, a esposa, Hope*, e os filhos tornaram-se refugiados. Ele agradece o apoio durante a prisão e perseguição na Arábia Saudita: “Estamos em segurança agora. Suas orações foram atendidas. Vocês nos ajudaram quando mais precisamos. Continuem orando pela igreja e pelos cristãos sauditas que não tiveram a mesma oportunidade que eu”.


Hakeem, um amigo próximo da família disse: “Adam, Hope e os filhos participam de uma igreja no país onde estão e, apesar do passado difícil, estão seguros e recebendo apoio psicológico. Com a ajuda da Portas Abertas, a família recomeçou a vida no novo país”.



Permanecer ou partir


“Adam está procurando oportunidades de emprego. Ele era um homem de negócios na Arábia Saudita e ainda não encontrou uma nova ocupação. Ele luta contra o sentimento de fracasso e o desejo de voltar para lá, mesmo que fosse preso novamente”, acrescentou Hakeem.


“Nós não costumamos tirar cristãos dos países. Em geral, encorajamo-nos a permanecer, mas o caso de Adam foi uma emergência. Ele havia enfrentado muitos desafios e estava muito exposto. A permanência dele era um risco para si mesmo e para outros cristãos sauditas. Levará um tempo para que a família supere o trauma, mas ao menos agora eles usufruem de maior liberdade e contam com o apoio de outros cristãos”, concluiu Hakeem.



*Nomes alterados por segurança.

Written by: admin

Rate it

Previous post

Empresa de biotecnologia israelense planeja criar embriões humanos para colher órgãos, especialistas de campo dizem que há preocupações éticas

News

Empresa de biotecnologia israelense planeja criar embriões humanos para colher órgãos, especialistas de campo dizem que há preocupações éticas

Uma empresa israelense de biotecnologia que recentemente criou embriões de camundongos usando células-tronco, anunciou planos para fabricar embriões humanos para colher tecidos para transplantes de órgãos e procedimentos antienvelhecimento. Mas um cientista ético e especialista em células-tronco do Instituto Charlotte Lozier disse à CBN News que esses avanços na pesquisa com células-tronco são um “verdadeiro motivo

todaysetembro 27, 2022 2


0%