News

Bolsonaro afrontou a democracia no 7 de Setembro, diz Dilma

todaysetembro 8, 2022 3

Background
share close

Ex-presidente criticou chefe do Executivo por tom eleitoral em discursos: “Sequestrou a data histórica”


Sérgio Lima/Poder360 – 5.jul.2017

A ex-presidente Dilma Rousseff não compareceu à comemoração do bicentenário da Independência do Brasil no Congresso Nacional nesta 5ª feira



08.set.2022 (quinta-feira) – 12h08


A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) criticou nesta 5ª feira (8.set.2022) o tom eleitoral dos discursos feitos pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) nas comemorações do bicentenário da Independência do Brasil nesta 4ª feira (7.set.2022). Para ela, o chefe do Executivo sequestrou a data histórica em “benefício de sua própria candidatura eleitoral”, o que configurou “uma afronta à democracia”.

“Desafortunadamente, o Brasil assistiu ao chefe de Estado sequestrar a data histórica que é de todo o povo em benefício de sua própria candidatura eleitoral, desafiando as leis e ignorando o rito sagrado da função institucional de quem está no comando do País. É grave o que assistimos ontem. Uma afronta à democracia, um desrespeito aos brasileiros”, disse.

Dilma enviou uma mensagem ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), com um pedido de desculpas por não comparecer à comemoração realizada pelo Congresso Nacional nesta 5ª feira (8.set) pela independência. A petista afirmou que compromissos prévios a impediram de ir à Brasília.

Na nota, a ex-presidente afirmou ainda que o uso político que Bolsonaro fez da data comemorativa marcou “de maneira indelével e vergonhosa o calendário”. Ela disse também que o atual presidente não teve compromisso com o Estado Democrático de Direito.

Em discurso logo depois o desfile oficial do 7 de Setembro em Brasília, Bolsonaro fez referências aos governos do PT, repetiu que há uma “luta do bem contra o mal” no país e disse que os petistas “não voltarão” ao poder. Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) são os principais adversários na disputa presidencial, com o petista na frente, de acordo com pesquisas eleitorais.

“Sabemos que temos pela frente uma luta do bem contra o mal. O mal que perdurou por 14 anos em nosso país, que quase quebrou a nossa pátria e que agora deseja voltar à cena do crime. Não voltarão. O povo está do nosso lado, o povo está do lado do bem, o povo sabe o que quer”, disse.

Pela tarde, o chefe do Executivo fez um discurso mais enfático contra Lula ao participar de ato no Rio de Janeiro. Ele afirmou que o petista precisa ser “extirpado” da vida pública.

“Comparem o Brasil com os países da América do Sul, compare com a Venezuela, compare com o que está acontecendo na Venezuela e compare com a Nicarágua. O que em comum esses países têm? […] São amigos entre si. Todos os chefes de Estado dessas nações são amigos do 9 dedos que disputa a eleição no Brasil. Não é voltar apenas à cena do crime. Esse tipo de gente tem que ser extirpado da vida pública”, disse.

Nesta 4ª feira (7.set), Lula também criticou a participação de Bolsonaro na data comemorativa. O petista disse que a data deveria ser de “amor e união” e que o Brasil precisa de “melhor sorte”. Também defendeu a retomada da democracia.

Leia a íntegra da mensagem de Dilma ao Senado:

“Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado,

“Quero pedir desculpas por não poder comparecer ao evento neste 8 de Setembro, por ocasião da solenidade em comemoração aos 200 anos da Independência do Brasil, que o Senado gentilmente me convidou. Compromissos prévios me impedem de deslocar-me a Brasília, e sinto-me compelida a deixar uma mensagem a esta importante Casa da República.

“O Feriado Nacional de 7 de Setembro é uma data de orgulho e celebração histórica do nosso povo e a formação da nossa Nação. Este ano, as comemorações tiveram uma característica única, que marca de maneira indelével e vergonhosa o calendário.

“Desafortunadamente, o Brasil assistiu ao chefe de Estado sequestrar a data histórica que é de todo o povo em benefício de sua própria candidatura eleitoral, desafiando as leis e ignorando o rito sagrado da função institucional de quem está no comando do País. É grave o que assistimos ontem. Uma afronta à democracia, um desrespeito aos brasileiros. Mas, ainda é pior. A Autoridade Máxima da Nação fez isso de maneira desabrida e sem compromisso com o Estado Democrático de Direito, que jurou honrar e respeitar ao ser empossado presidente da República.

“Que as autoridades institucionais reajam a mais essa afronta do Presidente da República, que continua a golpear diuturnamente o Judiciário e o Legislativo, em nome de um projeto de poder autoritário e profundamente desvinculado dos anseios do nosso povo. Que a sociedade acorde e reaja antes que o império do arbítrio recaia sobre o Brasil e faça terra arrasada do estado democrático de direito.

“Que o Senado da República, que já foi palco de grandes momentos, mas também de atos de injustiça, alguns bem recentes em nossa história, desta vez permaneça atento e não nos falte neste momento decisivo, quando entramos na reta final da campanha eleitoral que culminará na eleição geral de 2 de outubro de 2022.

“Dilma Rousseff

“Ex-presidenta da República”

Written by: admin

Rate it

Previous post

Randolfe se desculpa por ausência de Bolsonaro em sessão solene

News

Randolfe se desculpa por ausência de Bolsonaro em sessão solene

Em discurso, Senador se dirigiu aos chefes de Estados dos outros países; presidente cancelou ida minutos antes da sessão Pedro França/Agência Senado Randolfe Rodrigues (foto) foi o único a se manifestar pela ausência de Bolsonaro Carolina Nogueira e Mateus Maia 08.set.2022 (quinta-feira) - 12h03 O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) pediu desculpas pela ausência do presidente

todaysetembro 8, 2022 3


0%