News

Bolsonaro escolhe não governar, diz Frederico Bertholini

todaysetembro 18, 2022 6

Background
share close

Delegar articulações com o Congresso para presidente da Câmara enfraqueceu o Executivo, segundo professor da UnB


Sérgio Lima/Poder360 – 27.jul.2022

Arthur Lira aperta à mão de Bolsonaro durante convenção do PL, em julho. Ao centro, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira


e

18.set.2022 (domingo) – 16h00


A atribuição de funções de articulação parlamentar do governo de Jair Bolsonaro (PL) ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), contribuiu para dar força ao Congresso e pôs o Executivo em posição delicada para retomar o controle sobre a execução de recursos das emendas de relator, que alguns chamam de “orçamento secreto”.

Essa é a avaliação de Frederico Bertholini, professor do Instituto de Ciência Política da UnB (Universidade de Brasília) e entrevistado desta semana do PoderDataCast. Para Bertholini, o “grau de discricionariedade da aplicação” dessas emendas é “tão alto” que “se perdeu completamente a possibilidade do presidente atuar a partir delas”.

Assista (48min33s):

A questão se tornou um entrave para o próximo governo, diz Bertholini. Segundo ele, as emendas são moeda de troca para o Executivo formar maioria no Congresso e tocar sua agenda. E há um custo político alto de rever essas emendas.

Apesar disso, Bertholini não acredita que o fortalecimento dos presidentes da Câmara e do Senado seja o pré-âmbulo de um debate sobre o semipresidencialismo –modelo onde a chefia de governo é feita pelo presidente do Parlamento, oficializado como primeiro-ministro– no Brasil. 

“Não vejo tanto sucesso em uma discussão sobre o semipresidencialismo. O importante é ter maneiras de controlar o que esses atores políticos fazem, maneiras da sociedade verificar esse orçamento e maneiras do presidente manejar esse orçamento como previsto nas prerrogativas constitucionais dele”, afirmou.  

CORRIDA PRESIDENCIAL

Para ele, a polarização da disputa pela Presidência da República entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) –que registraram 43% e 37% no 1º turno na última pesquisa PoderData, respectivamente– deve ser encarada como normal. Mas episódios de “extremismo” “violência política” devem ser combatidos.

“A polarização não necessariamente traz só resultados negativos. Você tem mais clareza dos projetos, consegue garantir uma cobrança maior”, disse.

VOTO ÚTIL

Segundo o professor, a articulação da campanha lulista pela conquista do “voto útil” dos eleitores de Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet (MDB) –que somaram 13% das intenções no PoderData– não deve surtir o efeito desejado para levar o petista à vitória no 1º turno. “Os votos para a eleição já estão muito consolidados”, avalia. 

O mesmo vale para a tentativa de expansão de Bolsonaro em segmentos beneficiados pelo aumento do repasse do Auxílio Brasil e pelos reflexos das manifestações do 7 de Setembro.

“O tempo pode ser um aliado de Bolsonaro, mas até agora não foi”, afirmou Bertholini.

“É um jogo que o Lula está ganhando. Se o juiz apitar agora, ele é campeão –então quer que acabe logo. O Bolsonaro quer a prorrogação para ver se alguém escorrega e ele ganha”, comparou.

Written by: admin

Rate it

Previous post

Ao Agro, Alckmin diz que “direito à propriedade é constitucional”

News

Ao Agro, Alckmin diz que “direito à propriedade é constitucional”

Ao Agro, Alckmin diz que “direito à propriedade é constitucional” Ex-governador quer suavizar imagem de Lula no agronegócio, que torce o nariz para proximidade do PT com o MST Sérgio Lima/Poder360 - 12.jul.2022 O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) discursou contra os recentes episódios de violência política no país. Em ato com a

todaysetembro 18, 2022 7


0%