News

Chefão da Motorola: 5G não vai mudar vida das pessoas de hora para outra

todayagosto 15, 2022 6

Background
share close

As operadoras estão começando a ativar redes 5G nas capitais, mas os consumidores devem levar um tempo para entender a importância da tecnologia. Essa é a percepção do brasileiro Sérgio Buniac, presidente global da Motorola Mobility, que conversou com exclusividade com Tilt na sede da empresa, em Chicago (EUA).

“O 5G não vai mudar a vida das pessoas de uma hora para outra”, diz Buniac. Mesmo assim, a empresa está de olho no mercado: 60% do portfólio da Motorola no Brasil já é habilitado com a tecnologia, que, aos poucos, deve impulsionar os consumidores a trocar o telefone.

Além de Cristiano Amon, da Qualcomm, Buniac é o único outro líder global brasileiro no ramo da tecnologia. Antes do cargo atual, ele comandou a operação local da Motorola, depois passou a administrar as atividades no cone sul até chegar à presidência global em 2018.

Após se consolidar no segmento intermediário, a Motorola agora quer entrar na briga dos tops de linha. “Nunca vamos abandonar o consumidor que já está com a gente. Vamos investir agora mais no segmento premium, na linha Edge, o que vai ajudar a trazer ainda mais coisas para o Moto G”.

Para Tilt, Buniac fala sobre o que ele levou de “brasileiro” para a operação global da Motorola e como o celular ainda deve mudar muito a relação das pessoas com a tecnologia. A seguir, uma versão editada da conversa:

Tilt: Como o 5G deve influenciar os resultados da empresa? Acredita que vai ter uma troca rápida de celulares por parte dos consumidores?

Sérgio Buniac: O 5G é diferente, pois ele não vai mudar a vida das pessoas de uma hora para outra. Acreditamos que deverão surgir novas aplicações que aproveitem a tecnologia, e nossa parte estamos fazendo: 60% de nosso portfólio no Brasil já é 5G, com uma boa gama de preços.

Estava lembrando quando estávamos iniciando no 4G e as pessoas dizem: “precisa mesmo do 4G?”. Hoje, se você está num lugar sem 4G, parece pré-história, mas na época não tinha Netflix, Uber, entre outros apps.

As operadoras têm metas agressivas e, com o tempo, os consumidores devem aderir aos celulares com a tecnologia.

Tilt: O que você espera para o futuro próximo da Motorola? Em quais áreas a empresa está especificamente de olho?

SB: Estamos investindo bastante em ecossistema. Temos uma ferramenta chamada Ready For, que permite uso do telefone em múltiplas telas. Essa é uma evolução do que acho que vai acontecer no futuro.

Cada vez mais as pessoas vão ter tudo na nuvem, e você andará por aí com seu telefone e vai se beneficiar da conexão em um monitor ou uma televisão, por exemplo.

Temos investido também em software e segurança. Vamos entrar de forma agressiva na linha premium e no segmento jovem. Temos algumas parcerias em que estamos de olho neste segmento e vamos anunciar no futuro.

Tilt: A Motorola sempre esteve concentrada em celulares acessíveis e não muito caros, com a linha Moto G. Era parte da estratégia se consolidar neste ramo para, depois, dar mais atenção para um segmento mais premium?

SB: A ideia do Moto G é que as pessoas não precisam pagar mais para ter experiências incríveis. Hoje os celulares têm bordas menores, menos consumo de energia e som estéreo. Nós não vamos perder isto de vista.

Apesar de ter um histórico de celulares sofisticados, como Moto Z, Droid e V3, vamos investir mais no segmento premium, na linha Edge, que vai ajudar a trazer ainda mais coisas para o Moto G. Então, essas duas linhas se conversam. Você vai ver que existe uma identidade visual em todas as famílias.

A gente acredita firmemente que as pessoas não precisam pagar mais para ter experiências incríveis. Se elas quiserem gastar mais, pois querem inovação, uma câmera melhor, display sem borda, elas têm o direito de fazer isso e tem a linha Edge. Mas nunca vamos abandonar este consumidor que já está com a gente.

Tilt: Como é ser um brasileiro de destaque numa empresa global como a Motorola? Como tem sido essa experiência, dado que você já está no cargo há pouco mais de quatro anos…

SB: Tive mérito, mas tudo é fruto de um trabalho em equipe. Temos um time que trabalha junto e uma cultura concentrada em fazer a coisa certa para o consumidor. Uma cultura de comprometimento.

Com isso, os resultados acabaram vindo, e o Brasil sempre ficou entre a segunda e quarta operação global, mesmo em diferentes culturas — a Motorola já foi uma empresa Google, já foi uma “startup” e agora é da Lenovo.

Estou aqui há 4, quase 5 anos, e quando assumi a empresa vinha de um período de coisas muito boas e perdas financeiras. Meu grande desafio era restabelecer o resultado operacional, o que ocorreu nos primeiros 12 meses.

Fizemos, então, uma mudança de cultura e na linha de produtos. Mesmo assim, mantivemos a inovação, com a primeira chamada 5G aqui nos EUA e com o primeiro telefone dobrável.

Além disso, a gente criou um mecanismo mais eficiente de falar com o consumidor. Fazemos pesquisa online de feedback do aparelho. Hoje a gente consegue detectar problemas e resolvê-los em pouco tempo.

Identificamos, por exemplo, a necessidade dos consumidores de incluir som estéreo para a nova linha Moto G e a linha premium com a franquia Edge. Para isso, fizemos uma parceria com a Dolby Atmos. Quem se beneficia é o consumidor.

Tilt: Qual a importância do Brasil para a Motorola?

SB: Foi no passado e continua sendo um dos cinco maiores mercados do mundo. Durante vários momentos foi número 2, 3 ou 4. É um local em que a gente aprende muito e tem muita troca com outros mercados nossos.

Estamos presentes com fábrica e temos feito um forte investimento em câmera nos últimos anos. Um dos laboratórios que faz desenvolvimentos globais de fotografia e customização para operadoras americanas é no Brasil. Este trabalho é feito em Jaguariúna [cidade do interior de São Paulo].

A fábrica do Brasil é uma das poucas do mundo que conseguem fazer produtos de diversos segmentos. Eu diria que o Brasil conquistou seu espaço, independente de eu estar aqui.

O país também é um laboratório para a Motorola. Sempre fazemos coisas que podem ser escaladas para outras regiões. Os quiosques da Motorola, por exemplo, começaram no Brasil e hoje já temos 150 desses.

Tilt: Como a pandemia afetou a Motorola? Me lembro que em 2020 houve problemas na cadeia de suprimentos.

SB: Tivemos que enfrentar essa pandemia como precursores. Começamos em Wuhan, na China [onde empresa tem fábrica]. Lá aprendemos os cuidados para voltar a trabalhar, pois na época ninguém sabia.

De modo geral, uma das consequências é que a demanda [por produtos] foi maior do que as cadeias de suprimento permitiram, fazendo com que faltassem algumas peças.

A área de suprimentos já está bem normalizada e o pior já passou. Acreditamos que, no segundo semestre, as coisas estarão melhores.

Também vimos uma mudança de comportamento. Antes, era apenas um PC por família e hoje praticamente um por pessoa. Pessoas também tiveram a necessidade de câmera e som de alta qualidade nos celulares.

Como a Motorola é uma empresa Lenovo, estamos aproveitando este ecossistema dos computadores, e muitas coisas vão melhorar como resultado dessa troca de sinergia.

Tilt: Como a Motorola está integrada com a Lenovo? Tem algum movimento para unir mais as empresas?

SB: Sempre existiu e estamos acelerando. Havia algumas questões de infraestrutura e peças da cadeia de suprimentos. Agora, estamos mais na área de experiência de usuário.

Você vai ver maior integração entre computador e celular. Thinkshield, um sistema de segurança da Lenovo, já está disponível em nossos celulares, por exemplo.

O próximo passo é aumentar ofertas para soluções de pequenas e médias empresas que mostrem essa integração entre Motorola e Lenovo.

Tilt: Como vocês têm lidado com as concorrentes chinesas? Chega a ser um problema ou passa longe de ser uma preocupação?

SB: Podemos competir com qualquer fabricante de qualquer região. Não é fácil, mas somos competitivos – não custa lembrar que somos chineses também [a chinesa Lenovo é dona da Motorola Mobility]. Sobre ser uma preocupação é, sim, mas não um problema.

O que importa para gente no fim das contas é o consumidor. Por isso estamos trazendo som estéreo para o Moto G e outras inovações.

Claro que a gente olha a concorrência, mas não é isso que nos pauta, se não estaríamos fazendo coisas no momento errado e de forma equivocada.

Para a gente, o consumidor está na frente de tudo, e a concorrência é algo saudável. Faz com que tanto nós quanto eles se mexam mais rápido.

Tilt: O motivo da minha pergunta é que existe uma presença forte de algumas companhias no mercado cinza [importações feitas por canais não oficiais e que não pagam imposto]. Isso prejudica vocês?

SB: Não estamos de acordo com o mercado cinza. Precisa ter uma equidade: as empresas deveriam ter investimentos e pagar impostos.

Este é um problema da indústria e as pessoas deveriam ter consciência disso. Temos de ser competitivos com o que é correto, e criticar o que não é saudável.

Se for ver, temos fábrica no país e empregamos mais de 8 mil pessoas. Mesmo assim, temos preços competitivos. Às vezes o consumidor tem uma impressão falsa ao ver um produto muito barato, e isso não é legal.

Este tipo de problema [do mercado cinza] se resolve com foco. É uma preocupação presente e sabemos que as autoridades têm tomado ações.

Tilt: Nós já não chegamos ao pico de inovação do smartphone? Hoje em dia não há grandes mudanças: a maioria dos telefones tem câmeras boas, fazem chamada de ótima qualidade e servem para redes sociais.

SB: Nunca. Esta é uma visão conservadora. As pessoas se adaptam à tecnologia. “Eu preciso de 5G? Não sei”. Daqui a 6 anos as pessoas vão pensar: “putz, como eu vivia sem o 5G?”.

É ilimitada a capacidade das pessoas de absorverem tecnologia — o que é bom, pois a sociedade evolui através disso. Não é aqui dentro em si [apontando para o telefone] que a mudança vai vir, mas o que o smartphone vai te habilitar a fazer.

O telefone é pessoal. Então, há recursos de saúde que podem ser habilitados, o que traz possibilidades ilimitadas. É o único dispositivo que está com a pessoa o dia inteiro onde ela estiver. Facilmente, o telefone pode ser seu “médico pessoal”.

E acho que ainda tem muita coisa para acontecer, seja em software, hardware, em ecossistema, em seamless — essa ideia de você estar conectado a várias coisas. Dá para melhorar em latência, em velocidade.

Tem também a parte de hardware. Teremos mais telas dobráveis, como a do Razr, e novos tipos de interação.

Enfim, vamos cumprir nosso papel nessa parte. Tem muita inovação para acontecer ainda.

*O jornalista viajou para Chicago a convite da Motorola

Written by: admin

Rate it

Previous post

Telescópio Hubble fotografa paisagem de ‘nuvens celestiais’ na Nebulosa de Órion

News

Telescópio Hubble fotografa paisagem de ‘nuvens celestiais’ na Nebulosa de Órion

Pode até parecer uma obra de arte, pintada com cuidado, mas, na verdade, se trata de uma imagem do telescópio espacial Hubble, antecessor do James Webb.As agências espaciais americana (Nasa) e europeia (ESA) divulgaram na sexta-feira, 12, uma paisagem de "nuvens celestiais" em torno do objeto Herbig-Haro HH 505, na Nebulosa de Órion, do observatório de mais de 30 anos. Lançado em 1990, o Hubble superou todas as expectativas e […]

todayagosto 15, 2022 6


0%