Conheça o Ranking com os 10 Mercados de Imóveis que Tendem a Subir Mais até 2030

O mercado imobiliário dos EUA é visto há muito tempo como um hedge de inflação. A década de 1970, por exemplo, é conhecida pela inflação fora de controle. Nesse período, para se ter noção, o índice de preços ao consumidor subiu 106%. Ao mesmo tempo, o índice S&P 500 – cujos membros viram a inflação corroer suas margens – subiu míseros 14%. Os proprietários de casas se saíram muito melhor: o preço médio de venda das casas nos EUA saltou 167% durante os anos 70.

Embora os valores das casas tenham historicamente um bom desempenho durante os períodos inflacionários, isso não é garantia de que vá acontecer o mesmo desta vez. Afinal, o rápido crescimento dos preços das casas durante a pandemia já criou uma crise de acessibilidade para os compradores.

Dito isto, não importa o desempenho dos preços nesta década, sabemos que os resultados não serão uniformes em todo o país. O grau variável de restrições de oferta e crescimento populacional em todo o país significa que a valorização das casas também deve variar muito.

Ironicamente, os mercados com maior risco também são alguns dos que mais crescem. O motivo? Os mercados imobiliários com altos níveis de construção de moradias têm o maior risco de ficarem superabastecidos no cenário de queda. Quando a bolha imobiliária estourou em 2008, Phoenix e Las Vegas rapidamente viram seus mercados em rápido crescimento passarem de um frenesi de construção para um excesso de oferta que durou anos.

Quando se trata do potencial de crescimento dos preços, San Jose e Austin têm perspectivas semelhantes. Mas os perfis de risco são muito diferentes. Construtores de casas como Lennar e D.R. Horton estão ocupados construindo subdivisões espalhadas por toda a área metropolitana de Austin. Enquanto isso, San Jose tem poucas construções novas. Se uma correção imobiliária se concretizar, Austin tem uma chance muito maior de ficar temporariamente com excesso de oferta. Isso vale para mercados de rápido crescimento em estados como Flórida e Geórgia.

Levando em consideração tudo o que foi dito acima, a Fortune Magazine, construiu um ranking dos mercados imobiliários regionais com maior probabilidade de alta de preços até 2030, confira:

Boston, a número 1 do ranking.

Em primeiro lugar está Boston. Não só se espera que a renda em Boston aumente consideravelmente, mas o mercado tem níveis muito baixos de construção de casas. É claro que a oferta apertada diante do aumento da renda é a receita perfeita para preços mais altos das casas.

Atrás de Boston está San Jose (nº 2); Washington, D.C. (Nº 3); Durham, N.C. (Nº 4); Seattle (Nº 5); Denver (nº 6); Colorado Springs (Nº 7); Portland, Oregon (Nº 8); Madison (Nº 9); e São Francisco (nº 10).

Curiosamente, esse modelo mostra exatamente o oposto do que muitas narrativas da mídia pintaram: que as pessoas estão fugindo de cidades caras, então os preços provavelmente cairão. Na verdade, esses dados mostram o contrário: se a construção for moderada e a renda continuar aumentando, até 2030 mercados como São Francisco, Seattle e D.C. provavelmente ultrapassarão o grupo.

abril 25, 2022

Written by:

X