‘Defesa da democracia deveria ser de todos, sem exceção’, diz Pacheco

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou nesta quinta-feira (12) que é preciso defender a democracia em tempos de atentados nocivos à sociedade brasileira.  A declaração foi durante seu discurso na abertura do Congresso Brasileiro de Magistrados, em Salvador (BA).

Segundo Pacheco, é preciso haver o fortalecimento das instituições. “É difícil pensar que, em pleno ano de 2022, com todos os problemas que temos no país, ainda precisamos ter a energia necessária para defender a democracia, que já está assimilada na sociedade e que, na verdade, deveria ser uma defesa de todos, sem exceção.” 

Para Pacheco é inimaginável pensar que a esta altura estejamos a defender o poder Judiciário de ataques sem fundamento e razoabilidade, que classificou como atentados à sociedade. “Esse ambiente que estamos hoje de certa instabilidade, de ataques anti democráticos, de arroubos que parecem populares para determinado grupo, mas, na verdade são atentados muito nocivos à sociedade brasileira, nós temos obrigação da união, do respeito, da responsabilidade de cada um de nós”, afirmou o senador. 

As declarações do presidente do Senado vieram em meio a uma crise entre os poderes Executivo e Judiciário. Pacheco tem se encontrado com chefes dos outros poderes, em um momento de grande instabilidade. No início deste mês, ele se reuniu com o presidente do STF, Luiz Fux, em  apoio à Corte após manifestações antidemocráticas, pedindo o fechamento do Supremo, ocorridas em 1º de maio. No mês passado, ele se encontrou com o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Edson Fachin, e defendeu o bom trabalho da Corte.

Nas manifestações anti democráticas de 1º de maio, o deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ) participou de um ato no Rio de Janeiro que reuniu apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) que protestaVam contra o Supremo Tribunal Federal. Silveira foi condenado a 8 anos e 9 meses de prisão por tentar impedir o funcionamento das instituições e por coação no curso do processo. No entanto, o presidente Jair Bolsonaro perdoou totalmente a pena concedendo a ele o benefício da “graça”.

maio 13, 2022

Written by:

X