News

Instagram é multado em R$ 2 bilhões na Europa por privacidade de dados de crianças e jovens

todaysetembro 8, 2022 3

Background
share close

Londres – Vivendo um período de relativa calmaria depois de uma crise causada pela onda de revelações sobre impacto negativo a jovens feitas por uma ex-funcionária em 2021, o Instagram volta às manchetes ao levar uma multa gigante na Irlanda, onde fica sua sede europeia. 

Nesta segunda-feira (5), a Meta, holding da plataforma, foi condenada a pagar  €405 milhões (R$ 2,1 bilhões) pela Comissão Irlandesa de Proteção de Dados (DPC) por violação da legislação do bloco europeu em suas configurações de privacidade para crianças no Instagram.

Os motivos foram a exibição de telefones e endereços de e-email em contas comerciais de usuários entre 13 e 17 anos, e uma configuração padrão de conta pública automática para esta faixa etária. A Meta informou que os recursos não estão mais em vigor. 

Multa por Instagram é a maior já recebida pela Meta na Europa

Resultado de uma investigação de dois anos, a multa é mais alta já aplicada à Meta, proprietária do Instagram, do Facebook e do WhatsApp, e a segunda maior a uma plataforma digital. 

Em setembro do ano passado e em março deste ano a holding recebeu multas de €225 milhões (R$ 1,1 bilhão) e €17 milhões (R$ 87 milhões)  por violações “graves” na proteção de dados de usuários do WhatsApp. 

Em julho de 2021, a Amazon foi condenada a pagar € 746 milhões (R$ 3,8 bilhões). 

O órgão regulador irlandês de proteção de dados é o responsável por fiscalizar as atividades das plataformas que mantém suas sedes europeias na Irlanda. 

Em 2021, a Meta enfrentou uma tormenta que abalou seriamente sua imagem depois que a ex-gerente do Instagram Frances Haugen tornou públicas pesquisas internas da empresa demonstrando efeitos negativos sobre o estado emocional de jovens usuários em questões como imagem corporal e autoestima. 

Haugen vazou apresentações de forma sigilosa a jornais americanos, e depois mostrou o rosto, sendo convidada a falar em comissões que investigam as plataformas digitais no Congresso americano, no Parlamento britânico e no europeu. 

Diante do impacto negativo das revelações, a Meta acabou voltando atrás na introdução da criptografia de ponta a ponta no Messenger do Instagram, vista por autoridades e entidades de proteção a crianças como um risco. 

Sem a possibilidade de identificar pessoas que assediam crianças online, a apuração desses crimes se torna quase impossível, segundo as organizações. 

Ao jornal Político, a Meta informou que pretende apelar da multa do órgão regulador irlandês, afirmando que a investigação se concentrou em configurações antigas atualizadas há mais de um ano.

Segundo a empresa,  desde então foram lançados recursos para manter os adolescentes seguros e suas informações privadas. E menores de 18 anos agora têm suas contas definidas como privadas automaticamente ao se cadastrarem no Instagram. 

Além do Instagram, o TikTok também entrou no radar de regulares e de entidades de proteção a crianças por questões como privacidade e pelos desafios que já causaram mortes. 

Fonte : https://mediatalks.uol.com.br/

Written by: admin

Rate it

Previous post


0%