News

Justiça do Paraná cita eleições para negar HC de Guaranho

todayagosto 14, 2022 4

Background
share close

Parecer fala em possibilidade de “novos conflitos” para manter prisão preventiva de policial acusado de matar tesoureiro do PT


Reprodução/Redes sociais

Jorge Guaranho, apoiador de Bolsonaro, responde por homicídio duplamente qualificado



13.ago.2022 (sábado) – 22h05


A Justiça do Paraná negou neste sábado (13.ago.2022) um pedido de HC (habeas corpus) feito pela defesa do policial penal Jorge Guaranho, acusado de matar o tesoureiro do PT Marcelo Arruda em julho. Ele responde por homicídio duplamente qualificado.

Segundo parecer do desembargador Adalberto Jorge Xisto Pereira, o crime teria causado “concreta repercussão social, até mesmo internacional”, e que, “tendo em vista as eleições que se avizinham”, a concessão do HC poderia “gerar novos conflitos entre pessoas com diferentes preferências político-partidárias”.

Os advogados de Guaranho pediam a revogação da prisão preventiva do policial penal, transferido para o Complexo Médico Penal, em Pinhais (PR) na madrugada de 6ª feira (12.ago) depois de ter a prisão domiciliar anulada por decisão da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu (PR). 

A defesa argumentou que ele não representaria um risco à ordem pública e que as condições do sistema prisional seriam prejudiciais à saúde do réu, baleado durante a troca de tiros que causou a morte de Arruda.  

Para o desembargador Xisto Pereira, o fato de ter recebido alta hospitalar indicaria que o policial penal tem condições de ser tratado pelos profissionais da prisão e, por isso, também negou um pedido de prisão domiciliar humanitária. 

ENTENDA O CASO

Marcelo Arruda foi morto em 10 de julho depois de ser atingido por disparos com arma de fogo feitos por Guaranho durante sua festa de aniversário com temática do Partido dos Trabalhadores em Foz do Iguaçu (PR).

Com base nos depoimentos de testemunhas, a polícia descartou que Arruda e Guaranho já se conhecessem. De acordo com a investigações, o policial penal deu 4 tiros. Ao menos 2 atingiram Arruda. Já a vítima fez 10 disparos, e com pelo menos 4 acertando o policial.

Guaranho soube da festa antes de ir ao local. Teve acesso a imagens das câmeras do clube onde estava sendo realizado o evento.

Na 1ª vez, o policial estava de carro, acompanhado da mulher e do filho, com intuito de “provocar” os presentes na festa, segundo a polícia. O som do veículo tocava uma música que fazia referência a Bolsonaro.

Ao estacionar, Guaranho e Arruda começaram uma discussão sobre “ideologia e pensamentos políticos”, segundo a delegada chefe da Divisão de homicídios, Camila Cecconello. A vítima então arremessou terra e pedregulhos que estavam num canteiro. Os fragmentos atingiram o policial e sua família.

A mulher de Guaranho pediu para ir embora e o policial então deixou o local. Depois de saírem, Arruda foi até seu carro e pegou sua arma. Outras pessoas que estavam na festa pediram para que o porteiro do clube fechasse o portão do local.

Instantes depois, Guaranho voltou sozinho para o local da festa e abriu o portão, segundo a polícia. De acordo com depoimento da mulher do policial, ele teria dito que se sentiu ofendido e humilhado pelo fato de sua família ter sido atingida pelos pedregulhos.

“Pessoas perceberam a volta do veículo e correram para dentro para avisar a vítima”, disse a delegada. “Pelas imagens, a vítima carrega a arma e coloca na cintura no momento em que é avisada.” 

“A vítima pega a arma na mão e começa a sair de trás do salão para a porta onde está o carro do autor. Ele [Guaranho] visualiza o guarda e saca a arma. A esposa da vítima se coloca no meio e pede para abaixar a arma”, disse ela. 

Guaranho e Arruda gritaram para que cada um baixasse as armas. O policial penal deu o 1º disparo. 

A delegada do caso disse não haver elementos que apontem que Guaranho planejou o assassinato. 

“É complicado falar que ele premeditou. A 1ª vez que ele vai ao local ele vai para provocar e falar da ideologia dele. Não foi com intenção de efetuar disparos. Quando ele retorna, me parece mais movido pelo impulso do que algo premeditado”, afirmou.

De acordo com depoimentos, o policial penal estaria em um churrasco e teria ingerido bebida alcoólica antes de ir ao local do crime. “Relatos falam que ele estava bem alterado”, disse a delegada. O laudo sobre a dosagem de álcool ingerida ainda não foi concluído.

Arruda também teria ingerido bebida alcoólica durante a festa, mas, segundo depoimentos, não estaria em estado de embriaguez no momento da discussão.

O IML (Instituto Médico Legal) realizou um exame toxicológico no corpo da vítima, e o resultado deve sair ainda em agosto, segundo a delegada.

Foram ouvidas 17 pessoas, entre testemunhas que estavam no local do crime e familiares da vítima e do policial penal. As imagens das câmeras de segurança também foram analisadas.

Written by: admin

Rate it

Previous post

SP lança edital de R$ 3,4 bi para terminar trecho do Rodoanel

News

SP lança edital de R$ 3,4 bi para terminar trecho do Rodoanel

SP lança edital de R$ 3,4 bi para terminar trecho do Rodoanel Leilão da etapa Norte deve ser realizado em janeiro de 2023 Governo de São Paulo São Paulo vai leiloar trecho da rodovia em em janeiro de 2023 Poder360 13.ago.2022 (sábado) - 21h21 O governo de São Paulo publicou no Diário Oficial deste sábado

todayagosto 14, 2022 3


0%