News

Justiça Federal determina que UNIR pague progressões atrasadas de professor

todaysetembro 30, 2022

Background
share close


Nova ação impetrada por docente da UNIR foi julgada procedente pela Juíza Federal Maria da Penha Gomes Fontenele Meneses e obriga a atual reitora da UNIR, Marcele Pereira a reconhecer as ilegalidades que vem cometendo, enquanto a legislação e jurisprudência garantem as progressões na forma requerida pelo autor da ação.

Nova ação impetrada por docente da UNIR foi julgada procedente pela Juíza Federal Maria da Penha Gomes Fontenele Meneses e obriga a atual reitora da UNIR, Marcele Pereira a reconhecer as ilegalidades que vem cometendo, enquanto a legislação e jurisprudência garantem as progressões na forma requerida pelo autor da ação.

A Juíza Federal Maria da Penha Gomes Fontenele Meneses da Seção Judiciária de Rondônia / 1ª Vara Federal Cível da SJRO proferiu SENTENÇA FAVORÁVEL (PROCESSO: 1008170-94.2020.4.01.4100) em favor do professor Erasmo Moreira de Carvalho contra a FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UNIR) para que tenha seu direito de progressão em carreira garantido, uma vez que aquela Universidade tem impedido o autor da ação e mais de 300 professores a avançarem na Carreira do Magistério Superior e consequentemente terem perdas acadêmicas e financeiras.

Não é a primeira vez que a Reitora da UNIR, Marcele Pereira, é derrotada em juízo, uma vez que outra docente da UNIR também teve decisão judicial favorável sobre a mesma matéria.  A UNIR é a única Universidade Federal que tem “entendimento” de não conceder ou anular progressões já concedidas. A Gestão atual da UNIR, alinhada com órgãos do Governo Federal e atendendo as diretrizes do Governo Federal, segue mantendo uma decisão que prejudica toda a categoria. Há professores que perderam vários anos de trabalho, tendo suas progressões anuladas e salários reduzidos.

Há meses a ADUNIR – Associação dos Docentes da UNIR, Seção Sindical do ANDES, tenta sem sucesso, garantir esse direito por meio do diálogo, solicitações em ofício e reuniões. Contudo, Marcele Pereira sempre tergiversa e não concede direitos e nos últimos meses tem alegado “adoecimento” dissimulando uma preocupação com professores prejudicados. Um docente desabafou: “Estou em tempo de aposentar, fazendo tratamento de câncer, sem condições de lecionar, e ainda por cima vejo meus direitos pisoteados por uma pessoa que utiliza um discurso supostamente ‘humano’, ‘democrático’, de ‘esquerda’, mas que segue às riscas o que o Genocida e os negacionistas pregam. E ela vem com essa conversa de que está adoecendo por exigirmos o que é de direito?! Vá enganar outro! Me sinto envergonhado por essa senhora, a qual nunca chamarei de reitora!”. Desde de 2020, na Gestão do Reitor Ari Miguel Teixeira Ott, da qual Marcele Pereira era Pró-Reitora de Cultura, Extensão e Assuntos Estudantis que a UNIR vem ferindo esses direitos dos docentes. Contudo, como candidata da “situação” e envolta de vínculos com setores políticos que garantiram sua nomeação, Marcele Pereira insiste em permanecer com a postura de ferir direitos acadêmicos e financeiros de seus pares. O problema iniciou-se na gestão Ari Ott e seguiu de forma implacável na gestão da atual reitora a partir de 2020.

Na sentença proferida, a Juíza Federal Maria da Penha Gomes Fontenele Meneses considerou que “A UNIR, com base em diretrizes infralegais sobre o tema, entendeu que o procedimento administrativo de aprovação da progressão tem caráter constitutivo, e não declaratório, sendo o termo inicial dos efeitos, tanto acadêmicos quanto financeiros, a data da aprovação pelo Conselho Departamental, bem como que o próximo interstício para progressões subsequentes passaria a contar do último efeito acadêmico por ela assinaladoEssa foi a razão da retificação da Portaria n° 157/2018/DRH/PRAD/UNIR e anulação da Portaria nº 180/2018/DAP/PRAD/UNIR. Contudo, não se extrai da Lei nº 12.772/2012 a interpretação que a autarquia quer implementar, inexistindo tal limitação.” (grifo nosso).

A decisão da Juíza Maria da Penha Gomes Fontenele Meneses julgou “procedente o pedido formulado para, nos limites do pedido, considerar válida a Portaria n° 157/2018/DRH/PRAD/UNIR e a Portaria n° 180/2018/DRH/PRAD/UNIR, para que gerem seus efeitos legais” e CONDENOU “a ré ao pagamento de honorários advocatícios, os quais fixo no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor atualizado da causa, nos termos do art. 85, § 4º, III c/c § 3º, I do Código de Processo Civil”. A íntegra da sentença proferida em 27/09/2022 encontra-se em anexo.

0000 – Sentença Erasmo – Progressão

Written by: admin

Rate it

Previous post

Ponte desaba na BR-319 e deixa mortos e desaparecidos no Amazonas BR-319

News

Ponte desaba na BR-319 e deixa mortos e desaparecidos no Amazonas BR-319

Por Na Hora Online Publicado em 28/09/2022 - 14:36 Última atualização 28/09/2022 - 14:39 0 Uma ponte desabou no momento em que carros passavam no trecho do KM 25 da BR-319 na manhã desta quarta-feira (28), segundo o jornal A Crítica. Há feridos e mortos no acidente, informação confirmada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), que

todaysetembro 30, 2022 2


0%