News

MPT investiga empresa no ES por orientar voto de funcionários

todaysetembro 27, 2022 1

Background
share close
Sede do Ministério Público do Trabalho (MPT) no Espírito Santo. Crédito: Divulgação/MPT

O Ministério Público do Trabalho (MPT) instaurou inquérito civil para apurar a suposta prática de assédio eleitoral em uma empresa localizada em Aracruz, no Espírito Santo. A investigação é para identificar se o patrão atuou para direcionar o voto dos funcionários em um discurso dentro da indústria, o que configura crime. A empresa nega e diz que respeita “posições e opiniões individuais”. 

Em vídeos que circulam nas redes sociais,  o empregador aparece falando aos trabalhadores reunidos dentro da empresa sobre eleições. Ele não menciona nenhum candidato de forma aberta, mas comenta que, durante um antigo governo, a companhia, Imetame Metalmecânica, não teve nenhuma grande obra, mas ao mudar o governo, nunca mais pararam.

O homem, que não teve o nome divulgado pelo MPT, aparece em outro trecho alertando sobre o voto.  “Quando você vê pessoas falando coisas negativas de quem faz realmente esse país ir para frente e você ainda tem coragem de votar nessas pessoas, no futuro, você não vai poder reclamar. O dia que você não tiver emprego, não vai poder reclamar, porque você escolheu”.

Na gravação, o empregador também questiona se os trabalhadores votariam em candidatos que falam assuntos “absurdos em relação à família, assuntos absurdos a quem empreende”.

Em um dos vídeos, o homem, que está de pé em frente a vários funcionários, diz que a “mamata acabou” e cita episódios de corrupção na Petrobras que foram registrados em governos petistas, citando por exemplo que a petroleira pagou “U$ 1 bilhão, R$ 5 bilhões à bolsa americana por conta dos roubos feitos na Petrobras”.

NOTIFICAÇÃO RECOMENDA QUE EMPRESA SE RETRATE

Em nota, o MPT afirmou que, a partir de vídeo encaminhado ao procurador-chefe da Procuradoria Regional do Trabalho (PRT) da 17ª Região, foi expedida notificação à Imetame recomendando que a “empresa que se abstenha, imediatamente, de ameaçar, constranger ou orientar seus trabalhadores a votarem ou não votarem em determinado candidato”.

“Além disso, recomenda a divulgação da recomendação, a todos os trabalhadores, e a realização de nova reunião para retratação e pedido de desculpas formal que atinja integralmente todos os trabalhadores, bem como esclareça que o assédio eleitoral constitui crime”.

O órgão concedeu o prazo de 48 horas para a empresa obedecer às recomendações e o prazo de 72 horas para comprovar nos autos o atendimento.

Em seguida, o Ministério do Público do Trabalho dará andamento ao inquérito civil e decidirá sobre o ajuizamento de eventual Ação Civil Pública “com vistas à reparação do dano imensurável causado pelo empregador e sua conduta”, informou.

O órgão ainda esclareceu que, casos de casos de assédio eleitoral e denúncias sobre irregularidades trabalhistas poderão ser realizadas normalmente por meio da página do MPT-ES, pelo aplicativo MPT Pardal ou pessoalmente, dirigindo-se a uma das unidades do MPT em Vitória, Cachoeiro de Itapemirim, Colatina e São Mateus.

PT ENTROU COM MANIFESTAÇÃO NO MPF E NA JUSTIÇA ELEITORAL

O Partido dos Trabalhadores (PT) também entrou com uma manifestação contra as declarações do empresário no Ministério Público Federal (MPF), que atua na esfera eleitoral.

Na representação, o partido diz que “apesar de não haver pedido direto de voto nos vídeos, há clara intenção de direcionar o voto dos trabalhadores”.

O MPF foi procurado pela reportagem para comentar sobre o caso, mas não enviou resposta até a publicação da reportagem.

O partido também denunciou o caso à Justiça Eleitoral. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-ES), supostos casos de crimes eleitorais são encaminhados para a apuração do Ministério Público Eleitoral que, se confirmar a veracidade dos fatos, apresentará denúncia que será encaminhada para julgamento no TRE.

O QUE DIZ A EMPRESA

A reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação da Imetame Metalmecânica para esclarecer as declarações feitas no vídeo. A empresa não informou quem foi o autor das declarações.

“No que se refere ao nosso posicionamento, o único pedido foi para que as pessoas tenham serenidade no momento de realizar a escolha de seu candidato. Respeitamos as posições e opiniões individuais de cada um”, disse a empresa em nota.

Este vídeo pode te interessar

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível!
Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Written by: admin

Rate it

Previous post

Blonde: História sobre a vida de Marilyn Monroe

News

Blonde: História sobre a vida de Marilyn Monroe

TV segunda-feira, setembro 26, 20221 Min Leitura O filme conta uma história sobre a vida da atriz e símbolo sexual do cinema Marilyn Monroe (Ana de Armas). Misturando ficção e realidade, o longa relembrará vários escândalos da musa. Com muitas cenas forte de sexo e até uma de estupro, dizem que a Netflix teria ordenado

todaysetembro 27, 2022


0%