News

Mulher testemunha cura em Jesus, após traumas de abuso sexual na infância

todayagosto 22, 2022 4

Background
share close

Mary DeMuth conviveu com profundas feridas emocionais causadas por abusos sexuais que sofreu na infância. A violência começou quando ela tinha apenas cinco anos, e passou a ser violentada continuamente por dois vizinhos.

“Fiz tudo o que pude para tentar impedir o que eles estavam fazendo”, conta Mary. “Eles disseram que matariam meus pais se eu os contasse. Era uma situação horrível, mas sabia que tinha que contar, porque provavelmente [por causa dos abusos] eu perderia minha vida.”

Foi pensando assim que Mary decidiu contas sobre os abusos à sua babá. Mesmo a mulher afirmando que falaria para a mãe da menina, sobre o que estava acontecendo, isso nunca aconteceu.

“Os meninos voltaram no dia seguinte [quando] achei que estava segura”, lembra Mary.

No final daquele ano, sua família se mudou e Mary foi finalmente libertada dos meninos abusadores. Por dez anos, antes de contar à mãe o que aconteceu, Mary acreditava que sua mãe sabia, mas não fez nada a respeito.

“Havia uma parte de mim que acreditava que ninguém iria me proteger, e cresci com esse tipo de marca”, explicou Mary.

Cicatrizes e pensamentos suicidas

Ela conta que aquela terrível experiência, combinada com a trágica perda de seu pai aos dez anos, a levou à escuridão e a pensamentos suicidas.

Na adolescência, enfim, Mary encontrou Deus e pôde iniciar sua jornada de cura.

“Havia muitas cicatrizes e traumas, e passei anos trabalhando para me tornar inteira novamente pelo poder de Jesus e por meio de aconselhamentos e terapias”, conta.

Mary registra sua história em no livro “Not Marked: Finding Hope and Healing after Sexual Abuse” (Não marcada: encontrando esperança e cura após abuso sexual, em tradução livre).

“Este livro é minha carta de amor de volta para as pessoas que estão passando por jornadas semelhantes que eu fiz”, revela. 

“Eu digo que uma história não contada nunca cura, e quando a mantemos engarrafada por dentro, ela simplesmente apodrece”, explicou Mary.

“Você sente continuamente que é a única com esse problema. Mas se você deixar isso … e compartilhar, você verá a primeira centelha de cura começando.”

Written by: admin

Rate it

Previous post

Em relatório, ONU denuncia trabalho forçado de minorias na China: “Desumano e degradante”

News

Em relatório, ONU denuncia trabalho forçado de minorias na China: “Desumano e degradante”

Conforme o novo relatório da ONU que “irritou Pequim”, alguns aspectos da política da China podem até equivaler à “escravidão  e crimes contra a humanidade”.  O “trabalho forçado” foi encontrado na região de Xinjiang, um território autônomo ao noroeste do país, numa região vasta de desertos e montanhas, onde vivem muitas minorias étnicas, como os

todayagosto 22, 2022 3


0%