News

Sem citar Lula, Ciro afirma que segue PDT em apoio ao petista

todayoutubro 4, 2022 1

Background
share close

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, 64 anos, afirmou nesta 3ª feira (4.out.2022) que acompanhará a decisão de seu partido de apoiar Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa do 2º turno das eleições contra Jair Bolsonaro (PL).

Em um pronunciamento transmitido em seu canal no YouTube, Ciro disse que, “frente às circunstâncias”, pedir voto no candidato petista é a última saída”. Ele não citou Lula nem o PT em nenhum momento de sua fala (leia a íntegra ao final da reportagem).

Assista (2min4seg):

O ex-ministro e ex-governador do Ceará declarou que não pediu nem aceitará cargos em um eventual 3º governo de Lula.

Quero estar livre, ao lado da sociedade, em especial da juventude, lutando por transformações profundas, como as que propusemos durante nossa campanha”, afirmou.

Na reta final do 1º turno, Ciro elevou gradativamente a agressividade das críticas aos governos petistas e a Lula, chamando-o de “fascistoide” e “corrupto”.

Ele foi alvo de uma campanha de apoiadores do ex-presidente pelo chamado “voto útil –um apelo para que eleitores de Ciro, principalmente, e, em menor grau, de Simone Tebet (MDB) votassem em Lula para derrotar Bolsonaro já no último domingo (2.out), o que não se concretizou.

“Ao contrário da campanha violenta da qual fui vítima, nunca me ausentei ou me ausentarei da luta pelo Brasil. Sempre me posicionei e me posicionarei na defesa do país contra projetos de poder que levaram nosso povo a essa situação grave e ameaçadora”, disse o pedetista nesta 3ª.

A fala parece fazer um contraponto velado às críticas de eleitores do PT à viagem de Ciro para Paris logo depois do 1º turno da eleição presidencial de 2018. Ele decidiu não fazer campanha para Fernando Haddad e voltou ao Brasil só a tempo de votar no petista, derrotado por Bolsonaro.

Em 2022, Ciro teve o pior desempenho de sua carreira política em disputas pelo Palácio do Planalto. Na 4ª eleição, o pedetista teve votação pífia até mesmo no Estado do Ceará, seu berço político. No cenário nacional, o político experiente teve 3,04% dos votos válidos — 3.599.188 votos –abaixo do que alcançou em 1998, 2002 e 2018.

APOIO PROGRAMÁTICO

Ao anunciar o apoio do PDT a Lula no 2º turno deste ano, o presidente do partido, Carlos Lupi, declarou que Ciro “não viajará, ficará aqui no Brasil e já declarou esse apoio [a Lula] através do partido”.

Lupi afirmou a jornalistas que a decisão de pedir aos filiados que votem em Lula e, se convidados, façam campanha para o ex-presidente se baseia em compromisso assumido pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann, de incorporar ao programa de governo 3 propostas de Ciro.

São elas: o programa de renda mínima de R$ 1.000 por família, a renegociação de dívidas no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e o projeto de educação em tempo integral.

Nesta 3ª, a Executiva Nacional do PDT decidiu acrescentar a sugestão ao PT de que Lula assuma também a defesa do chamado “código brasileiro do trabalho”.

Trata-se de uma atualização da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) que, em suma, ajustaria a legislação a tratados assinados pelo Brasil com a OIT (Organização Internacional do Trabalho) e garantiria direitos a trabalhadores de aplicativo.

Eis a íntegra do pronunciamento de Ciro Gomes sobre o apoio a Lula no 2º turno, divulgado em 4.out.2022, às 14h10:

“Meus amigos e minhas amigas, acabamos de realizar uma reunião da Executiva Nacional ampliada do PDT em que, por unanimidade, nós tomamos uma decisão.

“E eu gravo esse vídeo para dizer que acompanho a decisão do meu partido, o PDT. Frente às circunstâncias, é a última saída.

“Lamento que a trilha democrática tenha se afunilado a tal ponto que reste para os brasileiros duas opções, a meu ver, insatisfatórias.

“Não acredito que a democracia esteja em risco nesse embate eleitoral, mas, sim, no seu absoluto fracasso, da nossa democracia, em construir um ambiente de oportunidades que enfrente a mais massiva crise social e econômica, que humilha a esmagadora maioria do nosso povo.

“Ao contrário da campanha violenta da qual fui vítima, nunca me ausentei ou me ausentarei da luta pelo Brasil.

“Sempre me posicionei e me posicionarei na defesa do país contra projetos de poder que levaram nosso povo a essa situação grave e ameaçadora.

“Espero que essa decisão ajude a oxigenar, temporariamente que seja, a nossa democracia.

“Mas, se não houver a busca efetiva de novos ares, de novos instrumentos, estaremos à mercê de um respirador artificial frágil e precário, limitadíssimo no tempo e no espaço.

“Pelo Brasil, minha luta e a do PDT seguirão sempre firmes.

“Não aceitaremos imposições ou cabrestos de quem quer que seja.

“Adianto que não pleiteio e nem aceitarei qualquer cargo em eventual futuro governo.

“Quero estar livre, ao lado da sociedade, em especial da juventude, lutando por transformações profundas, como as que propusemos durante nossa campanha.

“E ao povo brasileiro me dirijo: fiquem certos de que, como sempre fiz, vou fiscalizar, acompanhar e denunciar qualquer desvio do governo que assumirá em janeiro assim como vou seguir estudando e apresentando ideias para recuperar o nosso país.

“Um grande, forte e agradecido abraço a todos e a todas, e que Deus ilumine a nação brasileira.”

Written by: admin

Rate it

Previous post

Advogados planejam novo jantar de arrecadação para Lula

News

Advogados planejam novo jantar de arrecadação para Lula

Na edição anterior ao 1º turno, evento do grupo Prerrogativas levantou R$ 5 milhões para a campanha Ricardo Stuckert/Divulgação - 1º.set.2022 Antes do 1º turno, o Prerrogativas realizou evento semelhante em São Paulo para arrecadar verbas para Lula (foto) Poder360 04.out.2022 (terça-feira) - 15h30 O grupo de advogados Prerrogativas planeja promover um novo jantar para

todayoutubro 4, 2022


0%